quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Vila do Conde - forever

No fim-de-semana carnavaleiro, fomos com “guia de marcha” até Vila do Conde, com penetração vaselínica na Foz do Rio Ave. Uma estreia absoluta para todos nós - esta entrada no Ave, pelo que cada um de nós pode acrescentar ao curriculum este Rio. Até o Capitão César que já penetrou em tudo quanto é marina e porto de abrigo (desde Tóquio até La Paz) ainda não tinha entrado nesta barra.
Nesta aventura marcharam o
NVV Veronique, Shemi, a motora Liberum e o Lots of Fun do Capitão Paulo onde me incluí na tripulação. O Celta Morgana passou o carnaval a aguardar pacientemente no Pontão da AVELA pela revisão anual e outras mariquices de bricolagem de inverno. Em Leça, juntaram-se mais uns “marinheiros-morcões”, que com os mouros da frota (Grumete-campino e a visita do Casal Snoopy), compuseram uma caldeirada muito cosmopolita.
Jantar condizente com a categoria da marinhagem em Vila do Conde e a promessa solene de voltar a entrar em Vila do Conde, o mais rapidamente possível. O Pontão de Vila do Conde é algo de fabuloso, bem localizado no centro da cidade, e como está junto à Ponte sobre o Ave, é excelente para pernoitar, pois não há lanchas ou barcos de pesca a produzir ondulação. Do melhor que se possa imaginar. Impressionou-nos (pela positiva) a autarquia, que certamente tudo fará para que Vila do Conde entre nos pequenos roteiros da náutica recreativa, de modo a que algumas dezenas de veleiros encostem anualmente naquele pontão, trazendo algum “valor acrescentado” à economia local e confira uma atmosfera mais cosmopolita. Da nossa parte (e falo em nome pessoal e da AVELA) tudo faremos para que Vila do Conde consiga os seus intentos nesta área. Potencial e vontade política parecem haver.
Visitámos a Nau Quinhentista e a Alfândega (não sabia da existência desta última), numa visita bem guiada e muito bem apimentada (perdão, comentada) pelo Capitão Veiga, tendo explanado com bastante detalhe histórico, os comportamentos sexuais quinhentistas. Uma verdadeira enciclopédia viva.
A foto ilustra as más condições de mareação que o “Lots of fun” esteve sujeito, podendo visualizar o Capitão Paulo a rizar o pano e eu próprio a afinar o velame do estai. O
Grumete-campino pensará: - "Curto mais ser rabojador, que moço-grumete !!!"

5 comentários:

João Manuel Rodrigues disse...

Será que alguem viu os golos do Liedson?
Dão-se alvissaras.

Chefe dos Pilotos do Mar da Palha

Eugénio disse...

Claro que a palestra quinhentista teria que ser apimentada, foi isso que moveu este povo por esses mares adentro. Antes apimentada que "àcanelada" ou à "cravinhada"

BLUE MOON I disse...

ò Eugénio, fico sem palavras....

João Manuel Rodrigues disse...

Depois de 3 meses a afinar velas, não me digas que vais viver os póximos 5, vá lá 6 meses, a perguntar pelos golos do passa-fome, como é mesmo o nome do tipo?
O gajo devia era gastar o ordenado todo em sandes de coirates.

João

joao madail veiga disse...

Ganda Cruzeiro meu, ao nível dos melhores.
Só faltaram as bailarinas, essas putas, que receberam a nota e deram de frosques para Torres Vedras.
Não fora o Bolha ensaiar uns paços de dança e seria um fracasso.
Mau foi a fuga de gas metano a bordo do Lotsofun, oriunda de cu liberto de preconceitos e peidante.
Mas prontes, pró ano há mais.