sexta-feira, 19 de março de 2010

Lisboa vai andar de "Volvo"

A origem da VOR (Volvo Ocean Race) remonta a 1973, sendo a mais importante regata à vela em alto mar. Ao leme de cada embarcação Volvo Open 70 seguem atletas profissionais que competem entre si à volta do mundo ao sabor dos ventos dominantes.

A VOR é uma regata de circum-navegação que dura aproximadamente 9 meses. As condições extremas em que se disputa fazem da Volvo Ocean Race uma prova de audácia, pericia, resistência e velocidade. Lisboa será escala da regata de circum-navegação à vela Volvo Ocean Race em Junho de 2012, na ligação entre os Estados Unidos da América e a Europa. Será a primeira vez que este histórico porto português irá constituir ponto de passagem desta que é a mais importante regata oceânica do mundo.
Contudo, o arranque da prova acontece no Outono de 2011, na cidade espanhola de Alicante à semelhança da última edição, onde prestigados velejadores Aveirenses estiveram presentes
(clicar no link-para ver reportagem) na largada.

Tudo indica que na passagem pela capital tuga, seja organizada uma "In-shore", isto é, uma regata "curta" ao largo de Cascais, mas pontuável (ainda que pouco) para a prova. Relativamente à realização de uma regata ao largo de Alhandra, a mesma está posta de parte pois as negociações entre a empresa sueca e a Junta de Freguesia não foram conclusivas. As escalas da Volvo Ocean Race duram geralmente duas semanas e atraem bastantes visitantes e amantes da vela às docas de acolhimento. A passagem da Volvo Ocean Race implicará a requalificação da zona ribeirinha adjacente à Doca de Pedrouços, em Lisboa, que será o centro nevrálgico da escala, ficando preparado para eventualmente acolher novas etapas em futuras edições.

Foram 34 as cidades que manifestaram vontade em receber a Volvo Ocean Race na Europa, tendo 15 delas passado à fase final do processo de candidatura. Tal é claramente o reflexo do enorme interesse suscitado pela prova, tornando de longe a Europa no continente onde o processo de selecção é alvo de uma disputa mais acérrima.

(Info retiradas do jornal "Público", do site da VOR e do grupo IMPRESA)

4 comentários:

joao madail veiga disse...

Aí está uma falha inqualificável.
Uma escala em Alhandra daria um outro brilho à prova e premiaria o esforço dos marinheiros daquela bela localidade.

João Manuel Rodrigues disse...

Ainda nem tudo está perdido, apesar de terem falhado as negociações com a Junta de Freguesia, vamos meter como interveniente, a Tertulia "Alhandra a Toireira" e deste modo pode ser que as coisas se encaminhem, uma vez que a Camara de VFX dá um subsidio para o almoço.
Senão ainda nos resta de meter o Padre na negociação, oferecendo deste modo o "Quintal do Padre" para parqueamento de embarcações, desde que o Bacalhau acabe a baleeira a tempo.
Até lá, vamos mantendo esperança.

João

Pedro disse...

Nada disso! Os gajos têm é medo! Não vá o puto do trimaran deitar-se à água e mostrar-lhes o que é velejar depressa!

Além do mais espero não termos andado a berrar para dragarem a cala se os gajos agora não vêm cá acima caraças!

Pedro disse...

Pronto, digam lá a esse pessoal dos monocascos, vá lá, razoávelmente rápidos que o Fulô se compromete a deixar o "code 0" no saco e a velejar só de estai... prontos... e já é uma grande benesse!